quarta-feira, 24 de novembro de 2010

EJA: um caminho para a cidadania











EJA é uma porta aberta
Para inclusão social,
A nossa modernidade
Só vê referencial,
Em quem tem conhecimento
E notório suplemento
Na parte intelectual.

Alguém que ainda não faz
Das letras combinação,
Aplicando dia a dia
Sua comunicação;
Não vê o mundo real,
Tem o olhar desigual
Por falta de interação.

O letramento é o sal
Da mente desenvolvida,
Rompendo os nós e os estorvos
Acumulados na vida;
É o Sol do alvorecer,
Pelos desejos de ver
Essa cegueira abolida.
  
Por isso é recomendável
Para o jovem ou o adulto,
Se ainda analfabeto,
Considerado um estulto,
A EJA será a saída,
O carimbo que valida,
Dessa sentença, o indulto.

É como se nos abrissem
Os olhos para enxergar,
Um jardim pela janela,
Raios de sol a brilhar,
Sem seguir passos medonhos,
Mas alimentando sonhos
De um novo tempo chegar.

E assim vou me despedindo
Revigorado e contente,
Apreciei vários rostos,
Com um olhar sorridente,
Decerto, já devem ter
Bom gosto no aprender
Ver o mundo diferente!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

SÁBIO RECOMEÇO

                                              











No final de cada meta
Existe um recomeçar,
Por isso vivo vagando
Pela imensidão do mar,
Entre as marolas do brio
E a proa do desafio
É preciso navegar!

Numa peleja tirana
Com relampejo de morte,
Enfrento com valentia
Correnteza e vento forte.
Descanso, quase nenhum,
Para vencer cada um
Dos desafios da sorte.

E se a tormenta deixar
Um dissabor sem igual,
No leme do velho barco
Transformo suor em sal,
Nos desafios medonhos
Semeio os mais lindos sonhos
Dentro do mundo real.

No grande mar dessa vida
Nunca desisto do pleito,
Nem a magia das ninfas
Vai mudar o meu conceito.
Só o bem me satisfaz,
Pelo cultivo da paz
Floresce amor no meu peito!

PedrO MonteirO

terça-feira, 22 de junho de 2010

O MAR E A VIDA












O mar é fonte da vida
do jeito que o povo tem,
jogando teimosas ondas
sempre a procura de quem,
mesmo sem faca e sem queijo,
chegue pra lhe dar um beijo
num gostoso vai e vem.

PedrO MonteirO

quarta-feira, 26 de maio de 2010

PIAUÍ SAMPA 2010 JÁ É SUCESSO!




*****
A mostra Piauí Sampa 2010 oferece oportunidade de um passeio por este enigmático estado nordestino, desvendando seus sabores e costumes, através da gastronomia, artesanato, apicultura, turismo, e grandes riquezas folclóricas e a história de um povo espirituoso e empreendedor, transformando matéria prima em negócios.

A mostra vai de 24 a 30 de Maio
no Shopping Eldorado
Av. Rebolças, 3970 – São Paulo
www.piauisampa.com.br


Em vinte quatro de maio
Noite de segunda feira,
Quem foi ao Shopping Eldorado
Teve que pegar fileira.
Era a Piauí em Sampa,
Feira que a Roberta, estampa
Em sua página primeira.

Aparecem na foto: O Vaqueiro Juarez, Aldy Carvalho, a Jornalista Roberta Rocha e Pedro Monteiro.

domingo, 14 de março de 2010

O TEAR















Eu quero que você ouça
O que tenho a lhe falar
Desta teia que tecemos
Num dadivoso tear,
Faça favor ouvir tudo
E só depois decifrar.

Tire da sua algibeira
Muita determinação
Para repuxar os fios
Do saber e da boa ação,
Candeia do pensamento,
Um leme de evolução.

Este tear é a vida
Urdindo o seu pelejar.
Somos os fios trazidos
Pelas Ondinas do mar,
Num teimoso vai e vem,
Sem jamais desanimar.

PedrO  MonteirO

sábado, 2 de janeiro de 2010

EU & VOCÊ
















Tem a sábia natureza
um constante pelejar,
vejo uma folha caindo
para outra despontar,
as estrelas incandescem
e depois desaparecem
para o astro-rei brilhar.

Trazendo luz que é vida
pra fértil semeação
e esperando colher
da nossa imaginação,
bom fruto do recriar,
jeito novo de plantar
gerando evolução.

Nessa magia da vida
quero te reconhecer!
Pensando no que é bom
não posso desvanecer,
mesmo com dificuldade,
pra nossa felicidade,
os obstáculos vencer.

PedrO MonteirO

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

FRANCISCO: O MENINO DAS CEM MENTIRAS

























                        Era uma vez, um matuto de nome Zé Conrado que morava com sua mulher Filó e seus sete filhos: Pedro, Raimundo, Maria, Antônio, Bento, Jacó e o caçula Francisco, também chamado de Chicó. Viviam da pequena criação de animais e de lavoura, em terras do senhor Nicanor, um poderoso coronel daquela região. Mas num ano de forte estiagem, com os negócios indo de mal a pior, o Coronel entrou em forte depressão. Buscando descontração para amenizar suas angústias, culpas e remorsos por tantas maldades praticadas, resolveu, então, pagar para quem lhe contasse mentiras, como forma de distrair-se. O matuto Zé Conrado, por sua vez, afirmou: — Eu não vou até o Coronel, mas se ele vier a mim, garanto contar-lhe até cem mentiras e ele nem precisa pagar por isso!  
O Coronel soube da história e, depressa, saiu com doze capangas para a casa do matuto e, antes, fez um juramento: Se ele não cumprir o prometido, arranco-lhe o couro a chicotadas!

Quando avistou o Coronel e seus jagunços, o matuto tratou de fugir com sua prole. Porém Francisco, o Chicó, insistiu em resolver a questão frente a frente com o Coronel.
Zé Conrado, mesmo temendo crueldade com seu caçula, deu no pé e o Coronel chegou, encontrou o menino e foi logo lhe dizendo:
Cadê o amaldiçoado do teu pai?

— Senhor, pode se abancar que lhe conto tudo! — Disse-lhe o destemido menino, para depois destrinchar o causo — Olhe seu Coronel, meu pai tem uma grande criação de galinha poedeira, são 365, só as carijós. Cada uma põe sete ovos por dia. Todo santo dia ao amanhecer ele conta os ovos, um a um. Até que dia desses, quando fez a contagem, deu por falta de um. Ele enveredou mata adentro, caçando quem fez aquela safadeza; andou, andou, andou e encontrou uma enorme serpente com o ovo na boca. Foi então que reagiu à ofensa, apontou-lhe a espingarda, mas o tiro não foi certeiro. A cobra lhe avançou e ele se defendeu usando a espingarda como vara, mas a cobra era muito brava e foi um reboliço danado, seu Coronel! Quando ele já estava quase vencido, a cobra derrubou o ovo no chão e daí veio a maior surpresa! O ovo se partiu ao meio e dele saiu um enxerido macaquinho. O macaquinho não deu moleza não, seu Coronel, pôs logo fim à peleja dando um nó na tal cobra!
E meu pai, por toda essa sorte, montou uma venda de ovos e botou o macaquinho pra tomar de conta. O danado foi crescendo, crescendo, crescendo, mas não parava com as macaquices, mesmo já adulto, eram caretas e mais caretas. Com isso, espantou toda a freguesia. Aí, o velho ficou muito avexado, fez tudo que foi tipo de remédio para conter as moganguices do bicho. Acreditando ser problema de azia, foi consultar um velho curandeiro, que logo sentenciou: — Isso é prisão de ventre, é só ele dar uns bons espirros e soltar o que está prendendo! E indicou pimenta do reino, mas não explicou de que jeito; meu pai fez um preparado com a tal pimenta e fumo torrado e moído, uma espécie de rapé; vixe Maria, seu Coronel, o bicho fez foi piorar, cada espirro um pum com um barulho de lascar! O gato saio latindo e o cachorro miando, até a nossa porca velha foi logo se escapulindo. Só mesmo as galinhas pareciam nada sentir.
O jeito foi meu pai dar outro emprego para o bicho. Agora, como cuidador do galinheiro; o que também não deu certo, pois as sirigaitas galinhas, agora, estão desprezando o galo e só querem saber é de arrastar asas para o valente macaco.
Seu Coronel, oh bichinho presepeiro! Anda escanchado no galo, por quase o dia inteiro e quando dá meia noite é quem canta no poleiro!

O certo, seu Coronel, é que meu pai, nesse instante, está no mato caçando uma macaca que bote ovos!...”.

O Coronel, ouvindo todo esse balaio de lorotas, ficou muito satisfeito, deu animais e terras ao menino, por conseguinte, paz para toda a família e ainda o elogiou dizendo: — Você, hem! Pequenino, mas danado de mentiroso!

Autor: Pedro Monteiro, poeta Piauiense de Campo Maior.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

A REPARAÇÃO





Era uma vez, uma mamãe pata muito dedicada às suas crias, por elas, era capaz de tudo; se necessário fosse, daria sua própria vida. Por isso mesmo, seus filhotes viviam bastante felizes, desfrutando da tranquilidade de uma maravilhosa lagoa. 
Aproveitando-se dessa, por vezes, exagerada confiança, uma maldosa raposa começou a matutar como tirar proveito da situação e conseguir um almoço. E num momento de rara desatenção ela deu um bote certeiro contra o patinho mais descuidado. Como logrou sucesso, ficou toda insolente, achando-se poderosa; nem imaginava a sorte que o futuro lhe guardava, pois mamãe pata não pensava noutra coisa a não ser redobrar os cuidados com aquela ninhada e ainda vingar-se do feito.
Pressentindo que os ataques da inimiga não cessariam, a mamãe pata pensou depressa numa artimanha que pudesse por um fim naquilo tudo. Enquanto isso, à espreita dentro de uma moita, a raposa continuava com olhares ameaçadores. Foi então que a pata reagiu e tomou uma atitude: insultou um amoado jacaré, para depois sair as carreiras em direção à moita onde estava a raposa. Quando presenciou aquele reboliço todo saindo das águas, a raposa ficou pronta para atacar, pois pensou na sorte grande — uma tolice da mamãe pata, resolver sacrificar-se no lugar dos filhotes! Por isso mesmo, alegrou-se toda, indo ao seu encontro pronta para agarrá-la. — Pois sim..., num piscar de olhos, a pata “quebrou” de lado e deixou a raposa cara a cara com o jacaré. Aí foi um fuzuê medonho! A raposa tentou fugir, mas foi alcançada e teve o rabo agarrado pela fera. Sem ação, sentindo-se totalmente dominada, exclamou: — Camarada pata, ajude-me, por piedade... piedade... piedade...
Piedade? — Disse a pata.
Socorro! Socorro, que lhe serei grata por toda a minha vida!!! — Disse-lhe a raposa.

— Só se você deixar minha família em paz! — Disse-lhe com altivez a pata.
Não tendo outro jeito, a raposa acovardou-se, jurou por todos os santos nunca mais atormentar aquela família, e ainda, ajudar na sua proteção. Só então, a pata, com ar vitorioso, pôs-se a provocar o jacaré e, este, num forte arremesso soltou o rabo da raposa, pois achou que jantaria a pata; doce ilusão! Mamãe pata saiu: — Qua, qua; qua, qua; qua, qua, qua…
O certo é que, de forma astuciosa, mamãe pata livrou-se das tramas dessa predadora. E a paz voltou a reinar naquela lagoa.


PedrO MonteirO

terça-feira, 27 de maio de 2008

SONHOS NUMA MIRAGEM

                                   
 Certa vez, motivado pela sustança de um farto almoço, me aconcheguei a uma confortável rede, fechei os olhos e viajei... E num passo de mágica, lá estava eu caminhando por uma mata, com paisagem de cor acinzentada, quese despida de folhas. O Sol queimava sem piedade e minha garganta doía de tanta sede. Buscando um lugar para me refrescar, segui por uma vereda coberta por folhas secas quando, repentinamente, avistei uma região com muito verde e rumei para lá. Chegando naquele lugar fiquei encantado com tudo que vi, pois, além do alegre cantar dos passarinhos; dos macaquinhos que faziam uma festa danada no alto dos arvoredos comendo e derrubando frutas no chão, estava eu, ali, frente a frente com uma belíssima nascente de água pura e cristalina. Aquela nascente formava um expressivo veio onde era possível avistar uma diversidade de pequenos peixes, tive mesmo uma forte sensação de ser o primeiro humano a pisar naquele lugar.


Era mesmo um encanto de lugar; com uma incomparável comunhão de belezas: aves; animais; flores e frutos silvestres transformavam aquilo tudo num verdadeiro paraíso terrestre.

Após saciar a sede que me castigava e comer saborosos frutos, deitei-me sobre a folhagem para um breve descanso do corpo e da alma... Eis que, subitamente, fui cercado e dominado por uma grande quantidade de animais, aqueles antes inofensivos, agora me hostilizavam; senti-me um verdadeiro réu! Fiquei horrorizado com o olhar cortante de uma pequenina tartaruga. Meu amigo, de forma impiedosa fui, por eles, arrastado para uma Corte de Justiça e, lá, o magistrado supremo me olhou firme e sentenciou:
Você está enquadrado na lei da supremacia dos bichos, que diz no seu Artigo 1º:
É dever de todo humano, preservar as florestas, a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

I — Cada humano responderá pelo lixo que gera e pela displicência em sua destinação.

Il — A natureza devolverá, rigorosamente, toda agressão a ela praticada, tais como: devastação das florestas, poluição do ar, dos rios e do mar.

Parágrafo único — Pena capital para quem descumprir o determinado. — Bateu o martelo!
Neste momento, fui acometido de um baita susto, um grande maracujá caiu sobre meu peito e dei um grande salto… epa!
           Na minha rede não!   
              Autor: PedrO MonteirO é poeta cordelista e contista Piauiense de Campo Maior.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

OS DIFERENTES IGUAIS!

     
         









       Certa vez, um rapaz rico e garboso, quando passeava num bosque, encontrou um porco-espinho, parou e observou a forma desengonçada do andar daquele bicho. E por julgá-lo um hostil e desafortunado ser, foi logo lhe interpelando:
Você assim tão espinhoso, como pode desse jeito abraçar alguém, afetuosamente, e ter paz? — O porco-espinho, serenamente, respondeu-lhe fazendo outra pergunta:
Por acaso, tu tens dificuldades para abraçar alguém da tua espécie? — O rapaz respondeu-lhe que não. Só então, disse-lhe o Porco-espinho:
A minha paz não depende só de minha atitude, mas, principalmente, da tua.
Como assim? — Indagou o rapaz, e o Porco-espinho, emendou-lhe:
Meus espinhos são minhas armas, minhas únicas armas, mas ouça bem, armas só de defesa.



Autor: PedrO MonteirO
Este Conto Fabuloso, apesar de sua singeleza, tem a intenção de contribuir para reflexões instigantes, visando caminhos para uma convivência harmoniosa entre os diferentes. Sendo que, seu autor acredita ser o respeito e a preservação à natureza, a maior contribuição para este propósito.

domingo, 25 de maio de 2008

O CORRETIVO


Certa vez, nas minhas andanças mata adentro pelas bandas da floresta azul, nas cercanias do rio Jenipapo, município de Campo Maior, no estado do Piauí, eis que me deparei com uma intrigante cena. Veja você!
Quando caminhava dentro de um igarapé que parecia há tempos não ver água, ouvi ruídos encima de um lajedo e olhando o que era, avistei uma grande macacada. Isso mesmo, era um grupo de uns vinte macacos, aproximadamente. Faziam uma algazarra danada e naquela folia toda, eles nem perceberam a minha presença. Fiquei ali olhando, avaliando e só então pude entender que se tratava de um trabalho coletivizado quebrando coquinhos. Tinha um que erguia uma pedra de mais ou menos dois quilos, sacudia sobre o coquinho e dava um pulo, enquanto os outros recolhiam os fragmentos dos bagos e faziam um montinho, supostamente, para posterior divisão. Só quando os assustei, dando alguns passos à frente, foi que fugiram em disparada, com exceção de um, o de rosto amuado que estava no alto de uma grande árvore. Este foi descendo, descendo, descendo e me encarou como quem quisesse dizer algo; talvez até fosse lamentando eu não poder compreendê-lo.
Fiquei ali por mais de um minuto, parado, contemplando a forma estranha com que aquele bicho me examinava.
Depois segui o meu destino, enveredando por dentro da mata, dando continuidade às minhas descobertas, e após andar alguns minutos, escutei grande reboliço nos arvoredos seguido de uma barulheira que soava como um misto peditório e murmurações. Ao me aproximar cheio de curiosidade, para minha surpresa, reconheci aquele mesmo macaco que tinha me encarado, agora estava ele ali, cercado e sendo açoitado pelos demais do bando.
Confesso que fiquei estarrecido, tentando entender o porquê daquilo tudo, pois sequer tinha eu mexido nos seus coquinhos!

Talvez fosse mesmo um corretivo pela desatenção. Sei lá!
O que posso afirmar é que a
coisa foi feia.

Autor: Pedro Monteiro

PÁSSARO PEREGRINO















A paixão é um pássaro peregrino
voando com as asas da emoção,
sentimento desprovido de razão
rumando à procura dum destino.


Autor: PedrO MonteirO

sábado, 24 de maio de 2008

PRENÚNCIO DAS CHUVAS


   














                                                 
                         Naquele esturricado sertão nordestino a situação era mesmo de muita tristeza. Já havia passado metade do que seria o período das águas, e nada de chuva! Plantar, naquelas condições, era só um desperdiçar de sementes. A fome se fazia presente vitimando, principalmente, os mais fracos e necessitados. O povo rezava e entoava cânticos rogando por reparação divina, pois acreditava tratar-se de um castigo dos Céus.
Foi neste cenário que meu pai decidiu que íamos à Serra da Jurema, um lugar distante dali, mas um dos poucos na redondeza onde ainda era possível tirar mel de abelhas nativas.
Saímos de casa cedo, ainda no turvo da madrugada, andando a pé por dentro da mata e quando já era meio dia, o velho parou e ficou observando aquele Céu azul, sem uma nuvem sequer! Eu também parei e olhei, procurando o que tanto lhe prendia a atenção. Então, percebi que se tratava de um redemoinho de urubus plainando nas correntes de ar. Ele, olhou, olhou... e ficou por um bom tempo calado. De repente, olhou-me como se precisasse me dizer algo.
Reflexivo, ele observou também as poucas moitas que ainda teimavam em permanecer verdes, e delas voavam assustadas pombas-rola que por ali se abrigavam do Sol escaldante. Mas foi logo adiante que nos deparamos com a mais enigmática cena, em cima de uma grande árvore algo se mexia, pois, caíam fragmentos de cascas em nossas cabeças. Ao paramos ali debaixo, protegendo os olhos com a aba do chapéu, o velho olhou para cima, contra o Sol e, para nosso espanto, caíram do alto daquele arvoredo duas lagartixas, uma agarrada ao rabo da outra. Aquilo para mim foi apenas divertido, mas meu pai mudou de feição, abraçou-me num gesto de grande alegria e, depois, rumamos para casa.
Eu, na época, com meus dez anos de idade, fiquei bastante intrigado com aquilo tudo e lhe perguntei cheio de curiosidade: — Por que estamos voltando? — Foi um aviso, meu filho. Coisa de Deus! — Disse, para depois me ordenar a passar por um lugarejo chamado São José, e avisar a alguns trabalhadores diaristas que no dia seguinte, logo cedo, comparecessem lá em casa para trabalharem a plantação.
Para surpresa minha e felicidade geral, já na boca da noite, começou relampejar e o dia seguinte amanheceu debaixo de muita chuva.
Oh, Deus! Bem-diz o sertanejo: — Chuva, mãe nossa! Essa tá fina, manda mais grossa.

Autor: PedrO MonteirO