BRIGA POR UM TOSTÃO







 Um próspero comerciante, muito sovina, mas que honrava muito sua palavra, por isso mesmo, era comum receber convites para apadrinhar crianças da região em que morava. O segredo para seu sucesso consistia em não perdoar dívidas - Isso não; dizia ele, dívida é dívida! - Nos seus negócios de compra e venda, dinheiro emprestado, qualquer que fosse a pendência, a menor quantia que fosse, ele ia atrás e recebia, mesmo que para isso tivesse que ir às vias de fato. Certa vez um compadre seu fez uma valiosa aposta com outro ricaço da região, afirmando que faria o compadre quebrar a jura, mesmo que fosse com, apenas, um tostão! Aposta feita, ele foi até o compadre e fez-lhe uma compra deixando pendente um tostão, com a promessa de fazer o acerto no próximo final de semana. Dívida contraída, imediatamente, saiu e avisou para o outro, com quem havia feito a aposta, este, mais uma vez garantiu: - esta aposta já está ganha! - Acrescentando: - Conheço muito bem aquele avarento e sei bem que até no inferno ele vai te cobrar, perde não, não importa a quantia, aquilo é um muquirana juramentado!

O compadre devedor, voltou para casa matutando um jeito de convencer o seu compadre a perdoar a dívida. Após passar uma semana disse para mulher: - Você vá à casa do nosso compadre e diga a ele que estou muito doente, precisando de remédio e peço que ele perdoe a quantia que lhe devo. A mulher foi e voltou com a resposta negativa, pois seu compadre respondeu: - Dinheiro para comprar remédios posso emprestar, mas perdoar dívidas, nunca! Negócio é negócio. Disse.

Ouvindo aquilo o compadre devedor, junto a sua mulher, pensaram uma estratégia que pudesse ser mais eficiente. Deixou passar mais uma semana e a mulher retornou ao compadre credor. Desta vez chegou e foi logo lhe dizendo: - Bom dia compadre! - Bom dia comadre, como vai meu afilhado, e meu compadre, melhorou? Meu compadre, seu afilhado está mais ou menos, mas seu compadre agora já é com Deus! - Que deus tenha pena da alma dele. - Disse o compadre, que imediatamente perguntou à “viúva”: Antes de partir, ele deixou alguma coisa para mim? - Sim, um pedido – Diz a mulher. - Um pedido? Comadre não me fale em perdoar dívida, foi isso? Não sendo isso, faço qualquer coisa, pode dizer, em nome da alma do meu compadre, lhe dou minha palavra, comadre! Então, naquele momento a comadre pôs em prática o plano: - Não, compadre, não é para o senhor perdoar o tostão que ele lhe devia, mas para o senhor, sozinho velar o corpo dele durante a noite no sagrado campo santo. - O compadre, não perdeu a pose e disse: - Pois feito! Pode preparar tudo que às 18 horas estarei aposto, o último pedido um compadre é sagrado. Disse.

A comadre voltou correndo para casa, cheia de alegria, dando como certo que a isca havia sido mordida. Pois a ideia era que durante o velório solitário, dentro do cemitério, quando o galo cantasse, o compadre que estava disfarçado de defunto, levantasse do caixão e assim, pelo medo, o compadre credor perdoasse o tostão que lhe devia e assim ele ganhava a polpuda quantia da aposta feita.

No horário combinado, corpo entregue, caixão aberto, velas acesas e o compadre foi se abrigar no galho de uma grande árvore. Na primeira parte da noite, ele ainda desceu uma vez para acender uma vela que havia se apagado.

Ocorre que, naquela noite, três ladrões fizeram um grande furto contendo joias e muito dinheiro. Passando por ali e vendo aquele caixão com um “defunto” dentro, pararam para dividir o produto saqueado. Encima da árvore o compadre nem tremeu, com a visão protegida por folhas e galhos, só observava a aproximação dos larápios.

Eles então, começaram a dividir os maços de dinheiro que eram tantos que, sequer, contavam! Repartiam pelos volumes de tanto que era a quantia. Foi quando entre os bens, encontraram um punhal de prata, daí aconteceu uma discórdia entre eles, pois não chegavam a um acordo, quanto ao valor do mesmo. Daí o líder do grupo sentenciou: - Já temos dinheiro o bastante, vamos enfiar este punhal no "finalmente" deste defunto! - Ah, neste momento o corpo pulou do caixão para correr, mas os ladrões desembestaram primeiro, a corrida foi tão medonha que nem olharam para trás. Só após uns trezentos metros, um que era mais corajoso voltou com os olhos abugalhados, mas ao se aproximar, ouviu um falatório: O meu tostão, não esqueça o meu tostão, me dá o meu tostão, passe pra cá o meu tostão! - Era o compadre credor que ao ver o “ressuscitado” cheio do dinheiro, insistiu em cobrar o seu tostão e o ladrão que voltava, ouvido aquilo, voltou em disparada, gritando para os colegas: - Vamos, vêm que é alma como diabos, daquele dinheiro todo, só tá dando um tostão pra cada uma…, Vamos!


Recolha de PedrO M.


Comentários

AlinhavoS de PedrO MonteirO

A VOLTA AO MUNDO EM OITENTA DIAS, VERSÃO EM CORDEL (Coleção clássicos em cordel).

SÃO PAULO EM CORDEL

JOÃO GRILO, UM PRESEPEIRO NO PALÁCIO