quarta-feira, 15 de junho de 2016

NA CURVA!





Um dia depois do outro
É um ditado conhecido.
E que o triunfo dos justos
Seja por Deus definido,
Usando de sensatez,
Agora é a minha vez
De lhe dizer: — Tchau querido!



PedrO MonteirO



http://plantaobrasil.net/news.asp?nID=94711&refgo=0

quarta-feira, 8 de junho de 2016

ÂNIMO

Nunca desanime em nada
batalhe sempre a sorrir,
se uma flor é dizimada
há mil botões a florir...
Mire bem ao seu redor,
pense num mundo melhor
para jamais desistir.


PedrO MonteirO

domingo, 5 de junho de 2016

O CANTO DA JAÓ













Certa vez, bisbilhotando mata adentro, fui contemplado com um espetáculo bastante curioso. Isso aconteceu no município de Cocal de Telha, no estado do Piauí.
Quando caminhava pelo leito de um igarapé do riacho fundo, seco pela estiagem, comecei a ouvir piados de um tipo de ave, conhecida na região por nambu jaó. Um dos piados vinha da direção da baixa das carnaúbas, o outro das bandas do morro das aroeiras. De pura curiosidade, tomei posição entre os dois e subi numa grande árvore para ver o que acontecia. Eram idênticos os piados e com a proximidade, aumentava mais e mais a minha expectativa quanto ao que ia assistir; se um encontro festivo ou uma disputa entre rivais. Até que pude avistar, de um lado, uma jaó-mãe acompanhada por três filhotes e, do outro, um gato selvagem caminhando cuidadosamente de barriga quase que arrastando pelo chão.
Aquilo, para mim, foi de perder o fôlego, preso à cena! Confesso nunca ter visto nada igual. Naquele momento a jaó piou e parou; o gato já muito próximo, mas detrás de uma moita, precisava apenas repetir o piado para a jaó andar só mais alguns passos e ele agarrá-la. No entanto, o gato, que estava de orelhas murchas e o rabo trêmulo, em vez de piar, miou! Arre...! A reação da jaó foi imediata e providencial, recuou, dando um misto de pulo voo. Os filhotes, que ainda não sabiam voar, aturdidos e indefesos, se agacharam entre as folhas secas.
Neste momento a mãe vendo suas crias em perigo fez-se de tonta, batendo asas e dando pulinhos, desviando a atenção do gato; enquanto os pequenos desapareceram dentro da mata fechada. Mesmo assim, a jaó manteve o gato ocupado, dando-lhe investidas de bico e asas abertas, fazendo um ruído muito estranho. A jaó parecia mesmo chamar para si todo o perigo, pois na luta o habilidoso felino, chegava a arrancar-lhe algumas penas. No entanto, ela resistia bravamente à peleja. Foi quando, repentinamente, ouvi um tropel vindo em nossa direção.

Eu estava muito atento àquela cena, mas logo percebi outra começando, era um lobo-guará que vinha embalado atrás de outro gato, num pega-pega medonho. Todavia, este, numa manobra esperta subiu numa grande árvore e o lobo passou às carreiras. Aliviado, o gato desceu e voltou sutilmente, nas mesmas pegadas. Já o gato que lutava com a jaó, assustado com aquele rebuliço todo, desapareceu.
Foi aí que eu desci da árvore onde me encontrava e também saí de cena, pois naquele palco repleto de estrelas, senti-me um vaga-lume num dia de
Sol. 
Autor: Pedro Monteiro

quinta-feira, 12 de maio de 2016

sexta-feira, 8 de abril de 2016

RODA DO TEMPO



















Girando a roda do tempo
num pensamento maior,
a chave que abre portas
tem o rosto do suor.
A boa ação é nobreza,
amor, a delicadeza
que faz um mundo melhor!


PedrO MonteirO

domingo, 3 de abril de 2016

DEMOCRACIA

É preciso reagir
Ao golpe que principia,
Não se deixando levar
Em burla à democracia,
Seja da lei um devoto,
Fazendo valer seu voto
De paz e cidadania!


PedrO MonteirO

domingo, 27 de março de 2016

PÁSCOA




















Por ser domingo de páscoa,
nos lembra renascimento,
quando a meiguice triunfa
suprindo o embrutecimento; 
é preciso comungar
o belo acontecimento!

A páscoa foi no passado
motivação de alegria,
celebração da colheita,
milagre e sabedoria.
Assim, recomenda os versos
Compondo esta poesia.

Com a Terra em grande festa,
todo Universo saudava:
— Bem vindo a esse tempo novo!
Pois a fome definhava.
Ouvia-se glória a Deus...
— O povo alegre louvava!

Por isso festeje agora,
mas com uma reflexão...
constrói um mundo bem melhor
quem estende a sua mão,
nutrindo benevolência
dentro do seu coração.

PedrO MonteirO

segunda-feira, 21 de março de 2016

POESIA











O sabor de uma poesia 
que põe tempero na alma, 
pelo remanso da calma 
alimenta o dia a dia.
A razão dessa energia
dá vigor ao coração 
com a mais forte razão
de seguir firme na lida, 
faz a estrada da vida
ser a mais doce paixão!


 PedrO MonteirO

DIA INTERNACIONAL DA POESIA




















Em cada porto fagueiro
Um balaio de alegria,
No conforto de um veleiro 
Num mar de sabedoria,
Pelo remanso da calma
ancora um afago na alma,
Erudição e poesia.


PedrO MonteirO

BRIO




















Quem tem valor não precisa
dizer que faz e acontece,
a pessoa grandiosa
a história reconhece.
Do jeito mais solidário,
na atitude é rosário
benevolente na prece.

Este rosário é o rosto
da grande transformação,
sendo aqui representado
no símbolo da união,
dos que insistem lutando,
de alma acesa buscando
a justa reparação.

Cada um por sua luta
merece ser compensado,
se tiver passado limpo
é bom que seja lembrado.
Num registro da memória
na página da nossa história
o seu nome consagrado!


PedrO MonteirO

sexta-feira, 18 de março de 2016

MUDANÇAS, MAS SÓ PARA OS OUTROS!



Numa disputa acirrada
Perder também é normal,
O mal substancial
É ter mente revoltada!
Se na derrota velada
Nos faltando até o ar,
Para poder externar
Um comportamento rude,
Queremos que o outro mude,
Mas não queremos mudar!




PedrO MonteirO

segunda-feira, 14 de março de 2016

HERÓIS DO JENIPAPO







Muito além de boa fruta
Jenipapo foi celeiro,
Riacho e palco primeiro
De heroísmo na luta,
Um divisor da disputa
Brasil verso Portugal,
Pela firmeza cabal
Fidié foi combatido,
Dias depois foi rendido
Por nossa tropa leal!

A Batalha do Jenipapo ocorreu às margens do riacho de mesmo nome no dia 13 de março de 1823, a qual foi decisiva para a Independência do Brasil.
Mais informações sobre este importante feito na história da independência do Brasil: https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_do_Jenipapo
PedrO MonteirO

terça-feira, 8 de março de 2016

A MULHER E A CIDADANIA















Sobre as asas do Condor
Numa atitude serena,
Se a liberdade é plena
A vida tem mais sabor.
Mulher, o encanto da flor,
Na beleza e na poesia,
Apraz além de energia,
Conquistas maravilhosas,
Mais ramalhete de rosas
Nas cores cidadania!


PedrO MonteirO